quinta-feira , dezembro 13 2018
Home / Destaque / Aplicativos de namoro: quais os riscos e como se proteger

Aplicativos de namoro: quais os riscos e como se proteger

Poucos dias antes do Dia dos Namorados, muitos solteiros correm para os aplicativos de relacionamento para tentar encontrar aquela pessoa ideal, ou simplesmente alguém com quem sair para não passar a data em branco. Em qualquer uma das circunstâncias, o que muita gente não pensa são nos riscos que um app de namoro pode trazer para a segurança digital.

Os aplicativos de namoro nem sempre são 100% seguros, e muitos têm vulnerabilidades que entregam localização do usuário ou permitem interceptação de dados. “É válido lembrar que, apesar dos riscos inerentes à tecnologia, o principal fator que acaba prejudicando o usuário não é a tecnologia do aplicativo em si, mas a utilização desprotegida e despreocupada que fazem dele”, diz Camillo Di Jorge, Country Manager da ESET no Brasil.

Sabendo disso, a ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, dá alguns conselhos sobre cuidados a serem tomados e como se prevenir de qualquer problema.

Redes sociais: muitos deste aplicativos são ligados às redes sociais, como Facebook ou Instagram. Apesar de uma boa ideia para que você saiba que conexões tem com as pessoas com quem interage, o problema disso que é você pode estar revelando detalhes muito pessoais a um desconhecido, que pode utilizar esses dados para saber de sua rotina e aplicar golpes. O ideal é não fazer a integração com a rede social, ou, caso seja necessário fazer, limitar a visualização de seus posts, fotos, local de trabalho e e-mail apenas para amigos, nunca ter posts públicos.

Detalhes pessoais: de nada adianta limitar suas redes sociais e, ao mesmo tempo, fornecer informações muito pessoais por meio do bate-papo. Na tentativa de impressionar um potencial parceiro, muita gente oferece informações demasiadas a quem ainda nem conhece pessoalmente. Local de residência, trabalho, endereços frequentes, números de cartões bancários ou de documentos pessoais são sigilosos e devem permanecer assim.

Engenharia social: em muitos casos, é justamente por confiar demais em alguém que ainda não conhece, que muitas pessoas têm problemas com a interação por meio desses apps. Engenharia social é um método de ataque que se aproveita da fragilidade emocional das pessoas para persuadi-las a enviar dinheiro, números de documentos ou simplesmente clicar em links maliciosos, que irão levar um vírus a seus dispositivos. Ao fazer amizade com alguém online, desconfie se as demonstrações emocionais começarem a ser atreladas a pedidos de dinheiro ou informações pessoais que não seriam relevantes para a continuidade de uma conversa. Além disso, evite clicar em links que levem a sites desconhecidos.

Chantagem: por fim, evite o envio de vídeos e fotos íntimas. Embora seja uma prática comum, pode ser muito perigosa caso o destinatário opte por chantagear uma pessoa a quem se aproximou justamente para isso. Além disso, uma informação como essa pode ser interceptada caso o dispositivo do usuário, tanto o que envia como o que recebe, esteja infectado por um vírus ou acesse uma rede wi-fi pública ou desprotegida.

“Aplicativos de namoro são parte do nosso cotidiano e uma das principais formar atuais de interação social entre solteiros. Nesse mundo altamente conectado, eles podem ser um incrível facilitador. No entanto, para utilizá-los sem risco e poder aproveita-los ao máximo, é fundamental que as pessoas prestem atenção na privacidade de suas informações, com quem dividem dados sigilosos, além de ter sempre uma boa solução de segurança da informação instalado no dispositivo”, finaliza Di Jorge.