sexta-feira , dezembro 14 2018
Home / Destaque / Após eleição, mercado cogita queda do dólar a R$ 3,50

Após eleição, mercado cogita queda do dólar a R$ 3,50

O mercado financeiro já começa a cogitar a possibilidade de o dólarcair ao patamar de 3,50 reais, conforme analistas afirmaram à Veja. Conforme se aproxima o segundo turno das eleições e aumenta a possibilidade de Jair Bolsonaro (PSL) vencer o pleito, o real pode se valorizar frente à moeda americana e chegar a este nível, que não é visto desde 27 de abril de 2018.

A discussão entre os analistas é quando esse patamar pode ser alcançado e se essa trajetória é sustentável. Há um certo consenso de que o câmbio, em uma faixa entre 3,70 reais e 3,80 reais, está num patamar saudável. Mas a euforia do mercado com a derrota da candidatura de Fernando Haddad (PT) pode forçar a queda do dólar para este nível mais baixo.

“Os nossos problemas econômicos não vão ser resolvidos com a eleição de Bolsonaro. O problema fiscal vai continuar e a Previdência não será aprovada. A economia não vai melhorar num passe de mágica”, diz Sidnei Moura Nehme, fundador da corretora NGO. “Por isso, acredito que, o dólar possa até chegar a 3,50 reais, mas em janeiro. Não agora.”

Para João Medeiros, economista-chefe da corretora Albatross, é até esperado que o dólar baixe de 3,50 reais. Ele, inclusive, começa a cogitar qual será a atuação do Banco Central (BC) se isso acontecer. Até 2 de janeiro de 2019, vencem 30,6 bilhões de dólares em swaps cambiais – instrumento utilizado pelo BC para controlar a volatilidade do câmbio. O estoque total de swap, que concentra diferentes com vencimentos até julho de 2019, está em 68,8 bilhões de dólares. A autoridade pode rolar esses contratos – renegociar um novo prazo de vencimento em troca do pagamento dos juros –, mas Medeiros já avalia a quitação de parte deles.

“O Banco Central acertou a mão quando fez os leilões no meio do ano para manter uma taxa justa de câmbio. Agora, com a queda, ele pode ter uma baita vantagem e querer a quitação”, afirma. “O presidente Ilan Goldfajn é um especialista nisso”, conclui. O movimento sugerido por Medeiros causaria uma valorização do real mais moderada, devido à saída de dólares do país.

Miguel Daoud, analista da Global Financial Advisors, foca em outro aspecto do dólar: as operações comerciais de empresas. Ele explica que, todos os dias, são negociados 100 bilhões de dólares entre contratos futuros de moeda estrangeira e juros brasileiros. Grandes empresas fazem uma operação de troca entre esses contratos para se protegeram de variações no câmbio. Com a sensação de menor risco com a eleição de Bolsonaro, o mercado pode reduzir o ímpeto de comprar contratos futuros de dólar e preferir os de juros, o que também causaria uma apreciação do real frente à moeda americana.