sexta-feira , dezembro 14 2018
Home / Destaque / A China já pode identificar seus cidadãos só pela forma de andar

A China já pode identificar seus cidadãos só pela forma de andar

O Big Brother chinês continua avançando rumo ao controle dos cidadãos. O país asiático foi pioneiro no teste do sistema de rating entre seus habitantes. É o chamado Sistema de Crédito Social, que utiliza big data para pontuar os mais de 1,3 bilhão de habitantes, julgando se são confiáveis ou não. Meses após essa iniciativa aparecer em todos os meios de comunicação, agora conhecemos o passo seguinte: o Governo chinês já pode identificar seus cidadãos pela forma de andar. É uma nova maneira de explorar a inteligência artificial para a vigilância.

As autoridades chinesas já começaram a desenvolver e testar a ferramenta: trata-se de um software que leva em conta as formas do corpo das pessoas e sua maneira de caminhar para identificá-las, inclusive quando suas caras não estão visíveis às câmeras (a China abriga a maior rede de câmeras CCTV do mundo, com mais de 170 milhões de unidades). O sistema já é utilizado pela polícia nas ruas de Beijing e Shangai, juntamente com o reconhecimento facial, para identificar as pessoas nas multidões e prender criminosos. O país também desenvolve um sistema nacional integrado de todos os dados das câmeras de vigilância, segundo a agência de notícias AP.

Foi a startup Watrix que desenvolveu o mecanismo. Seu CEO, Huang Yongzhen, explica que a tecnologia pode identificar as formas de andar das pessoas numa distância de até 50 metros, inclusive de costas e com o rosto coberto. “Isso pode preencher o vácuo do reconhecimento facial, que exige imagens de primeiro plano e alta resolução da cara de uma pessoa para funcionar”, afirma. O próprio Yongzhen reconhece que “não é necessária a cooperação das pessoas para que se possa reconhecer sua identidade”. Exatamente. Além disso, você não pode tentar confundir o sistema mancando, andando com as pernas esticadas ou encurvado, pois a máquina analisa todas as características do corpo. Não podemos enganar o Big Brother.

Embora o lado positivo do sistema seja a possibilidade de prender os criminosos, o Governo chinês foi muito criticado por implementar as tecnologias de vigilância com propósitos mais sinistros, que incluem o controle dos cidadãos (que também tem defensores). Em particular, é suspeita a forma como se utilizam suas bases de dados e sua tecnologia de reconhecimento facial para vigiar as minorias étnicas. “Um sistema instalado em Xinjiang, uma província ocidental onde vivem cerca de 10 milhões de muçulmanos, foi projetado para notificar as autoridades quando os indivíduos em questão vão além de sua casa ou lugar de trabalho”, informou a Bloomberg.

Agora isso é mais real do que nunca, mas as aplicações dessa tecnologia não são novas. Cientistas do Japão, do Reino Unido e da Agência de Sistemas de Informação de Defesa dos Estados Unidos têm pesquisado o reconhecimento do andar há mais de uma década, tentando superar o ceticismo de que as pessoas possam ser reconhecidas pela forma como caminham. No Brasil, em 2015, cientistas da Universidade Federal de Goiás também elaboraram um software para reconhecer as pessoas pela forma de andar. O estudo também estava voltado para a identificação de criminosos, nos quais as suas imagens são registradas por câmeras de segurança, mas não era possível visualizar e identificar os rostos.