sexta-feira , junho 22 2018
Home / Cotidiano / Confirmado primeiro caso de H3 sazonal em Feira

Confirmado primeiro caso de H3 sazonal em Feira

De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, no último dia 23, a Vigilância Epidemiológica notificou 64 casos suspeitos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em Feira de Santana, entre esses está o primeiro caso para H3 sazonal no município e um óbito por H1N1.

Dos casos notificados, 15 foram confirmados para H1N1, 12 por outros vírus respiratórios, nove como SRAG não especificada e um como H3 Sazonal. Permanecem em investigação 27 casos.

Visando a prevenção da doença, todas as unidades de saúde estão realizando a vacinação contra a influenza. Cerca de 98.122 doses já foram aplicadas, o que corresponde a cobertura vacinal de 77,82%. A meta é imunizar 90% do grupo prioritário estabelecido pelo Ministério da Saúde até o dia 01 de junho.

“De segunda a sexta-feira, a população pode procurar uma de nossas unidades de saúde, todas encontram-se abastecidas com a vacina. Nossos técnicos estão a disposição para tirar dúvidas e passar todas as orientações”, ressalta o enfermeiro e referência técnica em imunização, Carlos Henrique Valverde (foto).

Quase metade das crianças ainda devem ser vacinadas

De acordo com Carlos Henrique há uma preocupação com o número de crianças imunizadas no município, até o momento foram aplicadas 21.683 doses neste público, quando a população preconizada corresponde a 40.639. “A campanha está chegando ao fim e percebemos um descuido dos pais em vacinar as crianças. Isso é preocupante, pois esse é um grupo considerado de risco”, ressalta.

Diferença entre a H1N1 e a sazonal H3N2

Apesar de se tratar de um tipo de gripe A, a H3N2 é uma gripe sazonal e que não apresenta os mesmos riscos da H1N1. Não provoca pandemias. O número de casos é esperado para a época de sazonalidade, que no Brasil é nos meses de outono e inverno.

A Influenza A H1N1 (pandêmica 2009) causou uma pandemia mundial no ano de 2009. Os vírus do tipo A tem grande capacidade de mutação genética, podendo gerar surtos em nível mundial.