quinta-feira , junho 29 2017
Home / Destaque / Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza

Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza

“Gentileza gera gentileza.” A mensagem do poeta popular José Datrino (1917-1996), que completaria 100 anos em 2017, ganha significado especial em tempos de intolerância política presente tanto em discussões nas ruas quanto em redes sociais. O “profeta” que ganhou o apelido de Gentileza deixou uma verdadeira obra escrita nas ruas do Rio Janeiro (RJ), com apelos que vão além da cordialidade entre as pessoas.

No ano do centenário do artista, pesquisadores que ajudaram na preservação de seu trabalho ressaltam que os versos estão carregados de crítica ao modo de vida contemporâneo.

Para o professor Leonardo Guelman, do Departamento de Arte da Universidade Federal Fluminense (UFF), o maior legado de Gentileza foi ter deixado uma mensagem que chama à solidariedade. “Ele faz esse chamado para pensar de que maneira nós podemos ser mais solidários enquanto sociedade e não ficarmos suscetíveis ao individualismo alimentado pela cultura do consumo”, avalia.

Guelman é o idealizador e coordenador do Projeto Rio com Gentileza, que promoveu a restauração das obras do artista em 2000 e 2010. O “livro urbano” de Gentileza é formado por 56 páginas em concreto localizadas embaixo do viaduto do Caju, na Avenida Rio Branco, região central da capital fluminense.

As mensagens foram escritas com tinta e pincel por Gentileza, no período de quase cinco anos durante a década de 1980. “Ele vai nos apontar sua leitura de mundo pelo viés da cultura popular e no artesanato da escrita, uma linguagem muito própria para veicular sua mensagem enquanto oralidade e escrita”, aponta Guelman.

O movimento pela revitalização da obra de Gentileza foi apoiado por diversos artistas como Joãosinho Trinta, que dedicou ao profeta o enredo da Grande Rio no Carnaval de 2001, “Gentileza, o profeta do fogo”, e a cantora Marisa Monte, que gravou uma música em homenagem ao profeta em seu disco Memórias, Crônicas e Declarações de Amor (2000).

Filmes

Para o documentarista Dado Amaral, que produziu dois filmes sobre Datrino – Gentileza (1994) e Por Gentileza (2002) -, a obra do poeta popular continua viva.

Ele considera, porém, que a apropriação da tipologia e o que classifica como “uso indevido das mensagens” provocam um esvaziamento do sentido filosófico e ético proposto pelo profeta e acabam por difundir uma leitura rasa de sua obra. “Elas [mensagens] condenam o capitalismo, o lucro a qualquer preço e o amor pelo dinheiro. Essa parte da mensagem é muito incômoda no momento em que o capitalismo tem hegemonia irrestrita no mundo”, avalia.

Amaral conta que conheceu Gentileza por acaso, quando foi a uma passeata pelo impeachment de Fernando Collor, em 1992, no Rio de Janeiro. Na Avenida Rio Branco, Amaral subiu em um ponto elevado para observar a multidão que se concentrava no centro da capital carioca, quando avistou “uma figura extraordinária”.

Em meio à multidão, Gentileza se destacava pela vestimenta característica, a túnica branca, e segurava uma placa colorida com algumas de suas mensagens escritas à mão. “Que personagem, que figura, parei do lado dele e fiquei olhando, quase não prestava atenção na manifestação”, lembra. Desse encontro surgiu a ideia de fazer o primeiro documentário, lançado em 1994, em parceria com o cineasta Vinícius Reis.

No ano seguinte, preparou o argumento para um novo filme sobre Gentileza, mas não conseguiu apoio para o projeto. Em 1996, Gentileza morreu, mas Amaral manteve o projeto do filme e, em 2002, filmou o documentário “Por Gentileza”.

Biografia

Nascido em 11 de abril de 1917 em Cafelândia, interior de São Paulo, José Datrino passou a ser conhecido como Profeta Gentileza em 1961, após um incêndio ocorrido em 17 de dezembro daquele ano em um circo em Niterói. Datrino diz ter ouvido vozes que revelaram a ele sua missão.