terça-feira , maio 30 2017
Home / Destaque / Esquadrão de Polícia Montada celebra 30 anos de reativação

Esquadrão de Polícia Montada celebra 30 anos de reativação

Profissionais que trabalham diariamente com o cavalo, como vaqueiros, amazonas e policiais, chegam a duvidar de que o cão é o melhor amigo do homem diante das inúmeras utilidades do animal. Essa sensação pode ser conferida na manhã desta quarta-feira (10), durante a solenidade promovida pelo Esquadrão de Polícia Montada, em comemoração ao Dia da Cavalaria e ao Marechal Manuel Luís Osório, patrono da Arma de Cavalaria.

O evento marcou também os 30 anos de reativação do Esquadrão da Polícia Montada e contou com a presença do comandante-geral da PM, coronel Anselmo Brandão e do comandante da 6a Região Militar do Exército, General Joarez Alves Pereira. Após ato que marcou a aposentadoria do cavalo Aspen, que serviu à unidade por 15 anos, e agora terá o descanso merecido numa fazenda da Universidade Federal da Bahia (Ufba), no município de Entre Rios, sete potros nascidos no quartel e que começaram a ser treinados para servir ao esquadrão foram apresentados aos convidados.

Segundo o comandante da unidade, major Aloysio Herwans, atualmente são 76 cavalos e 126 policias militares em atuação. “Nós executamos o policiamento ostensivo nas praias de Salvador, nas praças, em grandes eventos, principalmente esportivos, onde a presença do cavalo e o policial sobre ele dá uma ostensividade maior do que o policial a pé. Também atuamos, quando necessário, no controle de tumultos e distúrbios civis”, explicou o major Herwans, lembrando que além de Salvador e Região Metropolitana, o esquadrão atua nos municípios de Feira de Santana e Itabuna.

Equoterapia

Ainda segundo ele, a raça utilizada atualmente é a Puro Sangue Lusitano, por conta de suas características. Animal mais dócil que outras raças e com grande grau de inteligência, aprende com mais facilidade os comandos. Além disso, os animais utilizados pela unidade precisam ter o mínimo de 1,60 metro de altura de cernelha (região localizada entre os ossos do ombro e a base do pescoço).

Para o coronel Anselmo, além do trabalho policial, o Esquadrão de Polícia Montada realiza uma importante ação social com a Equoterapia, que atende pessoas com deficiência ou necessidades especiais. “Para se ter uma ideia, uma dupla de policiais cavaleiros é o mesmo que dez PMs na rua, ou seja, tem mais ostensividade, e a atuação conjunta com a Associação Baiana de Equoterapia (ABAE) representa uma atividade da Polícia Militar de extrema importância social”, afirmou.

De acordo com superintendente da ABAE, a pedagoga Maria Cristina Guimarães, 170 pessoas com algum tipo de deficiência participam das aulas de equoterapia no local. “Só em você tirar uma criança de uma cadeira de rodas e colocar em cima de um cavalo, o ganho psicológico é enorme, trabalha com a autonomia e a satisfação, e o movimento do animal ajuda o sistema neuropsicomotor”, disse Guimarães, que realiza o trabalho há 25 anos, e atua também n 19o Batalhão de Caçadores do Exército, no bairro do Cabula.