terça-feira , setembro 25 2018
Home / Destaque / Exportações baianas crescem 5,5% em março

Exportações baianas crescem 5,5% em março

As exportações baianas do mês de março chegaram a US$ 694,1 milhões, com crescimento de 5,5% sobre março de 2017 e de 14,4% sobre fevereiro último. No mês, as importações totalizaram US$ 497,6 milhões, com queda de 26% sobre o mesmo período do ano passado. As informações foram analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI).

As vendas do mês foram lideradas pelo setor de papel e celulose com receitas de US$ 166,6 milhões e incremento de 48,8%, ante março de 2017. O setor passa por bom momento que culminou pela aquisição da Fibria pela Suzano, garantindo à empresa a liderança mundial do setor, além de produção e preços internacionais que seguem em alta, depois de avançarem até 50% no ano passado. O volume exportado até março alcançou 838,8 mil toneladas, o que alçou o setor também a liderança da pauta baiana no trimestre com vendas que alcançaram US$ 410,4 milhões e crescimento de 39% no período.

No primeiro trimestre, as exportações baianas alcançaram US$ 1,86 bilhão, com crescimento de 10,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. O crescimento no período deve-se exclusivamente ao aumento dos preços médios em 13,4%, já que o volume embarcado teve redução de 2,7% no período.

As vendas seguem puxadas pelos produtos básicos, com incremento de 40% lideradas pela soja (+61%); minerais (+22%) e algodão (+306%). As exportações de semimanufaturados também cresceram 30%, alavancadas pelo bom desempenho da celulose (+39%) e do setor metalúrgico (+50%), que segue em recuperação após a reestruturação da Paranapanema e da alta dos preços do cobre. Entre os manufaturados, apesar do bom desempenho do setor automotivo (+23,2%), houve redução de 9% nas vendas, graças à queda nos embarques de produtos petroquímicos (-10%), derivados de petróleo (-29%), pneus (-25%) e calçados (-32%).

As importações, em posição oposta ao que ocorre no plano nacional (crescimento de 6,7%), registraram queda de 26% comparadas a março de 2017, enquanto que no trimestre, a queda também acumula 26% – no Brasil aumento de 15,8% -, reflexo do ainda pouco dinamismo econômico local, que mesmo no Brasil se pronuncia tênue.

A queda nas compras externas no trimestre, principalmente de bens intermediários e de combustíveis, reflete o clima de letargia no dinamismo econômico do estado. A redução nas importações ocorreu nos três meses do ano e foi condizente com o ritmo tímido de retomada da atividade. O desembarque de intermediários caiu 10,7% de janeiro a março, em relação a igual período do ano passado, traduzindo a estagnação da produção industrial. No mesmo período, os combustíveis e lubrificantes recuaram 51,2%, principalmente nafta para a petroquímica (-56%). A importação de bens de capital, também acusou queda de 1,5% no primeiro trimestre, sinalizando um cenário de recuperação ainda lenta e incerta dos investimentos.

Com os resultados no primeiro trimestre, a Bahia acumulou um superávit de US$ 399,6 milhões, em sua balança comercial, com a corrente de comércio (soma das exportações e importações) chegando a US$ 3,32 bilhões com queda de 6,4% sobre igual período de 2017, resultado da redução maior das importações do que o aumento verificado nas exportações no período.