sexta-feira , dezembro 15 2017
Home / Destaque / Mulher de 59 anos é queimada pelo marido enquanto dormia

Mulher de 59 anos é queimada pelo marido enquanto dormia

Estado de saúde da vítima é grave; corpo foi atingido por queimaduras de 1º, 2º e 3º grau

Moradora do bairro de Sussuarana, Maria da Conceição Alves dos Santos, 59 anos, está internada no Hospital Geral do Estado (HGE) após ser queimada enquanto dormia pelo marido, o garçom Olegário Pereira dos Santos, 67 anos. O crime ocorreu na Rua na rua Aída Celeste, no bairro de Sussuarana, por volta das 23h30 de segunda-feira (9).

Após o crime, o acusado sofreu uma tentiva de linchamento pela comunidade e acabou detido por policiais da 48ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Sussuarana) e conduzido para a Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de Brotas. A vítima foi socorrida pelo Serviço de Atendimento de Urgência (Samu). O hospital não divulga informações sobre o estado de saúde dos pacientes.

De acordo com a delegada titular da Deam, Heleneci Nascimento, o acusado chegou em casa ontem à noite, encontrou a vítima dormindo, colocou álcool no corpo dela e depois ateou fogo. “Ela teve queimaduras de 1º, 2º e 3º grau,está internada sedada e em estado grave. A maior parte das queimaduras foram da cintura para baixo, principalmente na região da genitália”, informou. A delegada ainda não sabe qual o percentual do corpo da vítima atingido.

Ainda de acordo com Heleneci, Olegário chegou a afirmar que a vítima estaria acordada no momento do crime, mas teria entrado em contradição. Além disso, ela ressalta que se a vítima tivesse acordada, o autor teria se queimado também. Olegário foi levado para audiência de custódia na manhã desta terça-feira, onde o juiz vai decidir se ele continua preso ou será liberado.

De acordo com a delegada, a princípio o acusado vai responder por tentativa de feminicídio e, se a vítima não resistir, responderá por feminicídio, crime que prevê pena de 6 a 20 anos de reclusão. No caso de tentativa, a pena é reduzida para 1/3 ou 2/3, segundo a titular da Deam de Brotas. “Tem vários indícios de crueldade nesse crime”, avalia.