sábado , outubro 20 2018
Home / Destaque / Transplante de Rins – Médico esclarece quem pode ser doador

Transplante de Rins – Médico esclarece quem pode ser doador

 

A última novela da Globo, O Outro Lado do Paraíso, abordou um assunto muito importante: a doação de rins. A personagem de Glória Pires (Bete) doou o órgão para sua filha Adriana, interpretada por Julia Dalavia.

No mundo real, ainda existem muitas dúvidas e receios em torno da doação intervivos. Porém, é de extrema importância dizer que esse procedimento, quando todos os cuidados prévios são tomados, é seguro. Quem afirma isso é o médico nefrologista Dr. Marcos Vieira, da Fundação Pró-Rim, referência nacional em tratamento e transplantes renais.

“Hoje em dia a doação de órgãos é segura. Ao doar um rim, o organismo irá rapidamente se adaptar à nova realidade. Isso quer dizer que apenas um rim fará a função dos dois e isso é perfeitamente possível. Porém, isto não quer dizer que não existam possíveis riscos e complicações”, diz.

O médico explica os principais questionamentos sobre a doação de rins em vida e garante que esse é mais um ato de amor que uma pessoa pode realizar. Confira!

Quem pode ser doador?

Normalmente, qualquer pessoa adulta que esteja saudável pode ser doadora. O primeiro requisito é demonstrar o desejo espontâneo de doar o órgão. Depois, é necessário que se comprove, através de análises, a compatibilidade sanguínea com o receptor.

A segunda etapa é a avaliação clínica que mede se a função renal do doador está normal e não apresenta evidências de risco de doença renal ou de outros órgãos vitais.

Além disso, o doador passa pela avaliação de um psicólogo, onde o profissional vai indicar se o doador está preparado para essa intervenção cirúrgica e para as consequências que podem ocorrer com a doação.

“A pessoa deve estar preparada e consciente do seu ato. A doação não pode ocorrer por influência, pressão familiar ou troca de ‘favores’. Como toda cirurgia, o transplante envolve riscos e deve seguir uma rotina de cuidados para o resto da vida, tanto o doador quanto o receptor do órgão”, explica o médico.

Pessoas que, mesmo que apresentem 100% de compatibilidade, tenham distúrbios psiquiátricos, façam o consumo excessivo de álcool, fumo, usem drogas, ou ainda, pessoas de idade muito avançada, ou portadores de câncer não estão recomendadas para realizar o procedimento.

Pela Lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Amigos e conhecidos só podem ser doadores mediante autorização judicial, onde devem comprovar o vínculo com o receptor. Esse processo impede que haja qualquer comércio ilegal de venda de órgãos, conforme estabelece a Lei Federal 9.434/9.

Quais são os riscos da cirurgia de doação renal?

A cirurgia do doador é feita com muito cuidado. Sob anestesia geral e todos os cuidados são tomados para preservar a saúde do doador. Pode ser feita por videolaparoscopia, evitando cicatrizes e propiciando um tempo de recuperação menor.

Como é a recuperação do doador após a cirurgia?

Nas primeiras 24 horas após a cirurgia, poderá ocorrer dores. Mas, com a medicação adequada isso é rapidamente contornado. No dia seguinte a operação, o doador pode começar a caminhar e em torno de uma semana serão retirados os pontos. Segundo o médico, a alta geralmente ocorre três dias após a cirurgia. Toda cirurgia envolve riscos como infecções, sangramento e complicações das mais simples até grandes, porém estas normalmente não costumam ocorrer.

Futuro com apenas um rim

Após a doação, o paciente doador com um só rim, deve se cuidar mais, sempre buscando uma vida com saúde.

O médico relata que o doador deverá testar sua função renal por meio de exames ao menos uma vez por ano. Isso é feito por meio de exames de urina e sangue. Além disso, é recomendado, assim como para qualquer pessoa, que cuide da pressão arterial e tenha hábitos de vida saudáveis.

E ainda alerta que sempre que possível deve se dar preferência pelo transplante com doador falecido evitando assim risco ao doador vivo mesmo que sejam pequenos.