quarta-feira , agosto 21 2019
Home / Cotidiano / Blogueira denuncia estupro em clube de alta classe: “Minha virgindade foi roubada de mim”

Blogueira denuncia estupro em clube de alta classe: “Minha virgindade foi roubada de mim”

A blogueira Mariana Ferrer utilizou as redes sociais para denunciar um estupro que sofreu em uma festa no Café de La Musique Floripa, em Florianópolis, Santa Catarina. Na noite de segunda-feira (20), a influencer publicou o relato no Instagram e revelou que o caso aconteceu em dezembro do ano passado, quando foi dopada e estuprada por um estranho no clube, que é frequentado por pessoas de alta classe.

Segundo a vítima, ela foi deixada no local por algumas amigas, que se recusaram a voltar para ajudá-la, mesmo após mensagens em que ela informava que estava com medo e correndo perigo. Após o ataque sexual, que aconteceu em uma espécie de camarim do clube, ela conseguiu chegar em casa sozinha, ainda sob o efeito da substância utilizada para dopá-la, quando a mãe tirou a roupa dela e viu que a filha estava suja de sangue e de esperma.

“Minha virgindade foi roubada de mim junto com meus sonhos. Fui dopada e estuprada por um estranho em um beach club dito seguro e bem-conceituado da cidade. (…) Uma pessoa que está dopada ou bêbada não tem condições de dar seu consentimento, ficando altamente vulnerável, por isso são chamadas ‘drogas do estupro’. Não existe desculpa para violência sexual. Fazer qualquer ato libidinoso/ter conjunção carnal com mulher embriagada ou dopada é considerado, segundo a lei, estupro de vulnerável”, escreveu.

“Consegui chegar em casa, graças a Deus. Minha mãe, ao ver meu estado, tirou minhas roupas e se deparou com a pior cena da vida dela, minhas roupas estavam cheias de sangue e odor forte de esperma. O estrago foi grande, físico e emocional. Danos psicológicos que infelizmente só quem também é a vítima pode mensurar. (…) Nunca imaginei que passaria por isso na minha vida. Tenho pesadelos horríveis que me fazem dormir só depois do dia clarear, sentia dores fortes pra urinar, dores no corpo, entre as coxas”, revelou.

A jovem ainda acredita que a polícia ainda não identificou o suspeito, pois está “empenhada em proteger apenas o criminoso e o local do crime por se tratar de pessoas de ‘poder e dinheiro’”. A Diretoria de Polícia da Grande Florianópolis ainda não se pronunciou sobre as acusações.

O local onde aconteceu o crime se posicionou e disse, em nota, que está acompanhando o caso e auxiliando nas investigações. “O Cafe de La Musique repudia veementemente toda e qualquer violência, e ressalta ainda que tem colaborado e auxiliado fornecendo tudo que lhe fora solicitado e que envolvem o suposto fato, tais como: vídeos, fotos e cartão de consumo. Tudo que dispúnhamos foi imediatamente entregue à polícia, assim que se tomou ciência da acusação. A casa está auxiliando nas investigações e preza para que se alcance o esclarecimento dos fatos da melhor forma e o mais cedo possível, tendo total confiança nas autoridades constituídas na apuração completa do caso”, disse.